quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Somos um país envelhecido

Imagem google



Ainda que o Japão continue a manter-se como o país com maior percentagem de idosos, as estatísticas internacionais revelam que Portugal já está entre os países com mais população envelhecida. No ano de 2007, o saldo fisiológico em Portugal foi negativo, isto é, o número de mortos foi superior ao número de nascimentos, facto que , segundo creio, já não acontecia desde a pneumónica ( surto de gripe que atingiu a Europa logo após a Primeira Grande Guerra ). Portugal já possui , actualmente, mais idosos, pessoas com mais de 65 anos, do que jovens ( os menores de 15 anos). A tendência não é nova mas tem vindo a agravar-se ano após ano. Na década de 60, a percentagem de idosos em relação aos adultos e jovens era de apenas 6% mas, actualmente, essa percentagem já atingiu os 17% e tudo indica que irá crescer a não ser que os ventos mudem. As previsões para os próximos anos não são optimistas. Se a emigração, na década de 60,sobretudo para a França e Alemanha, foi um dos factores que para isto contribuiu, a diminuição da natalidade tem sido o factor que maior ónus comporta. O actual índice de fecundidade, de 1,3 por mulher, também é um dos mais baixos da Europa e a imigração actual, uma solução de curta duração, deixará de assegurar o crescimento efectivo da população.Esta é a tendência por toda a Europa o que se torna mais preocupante. Actualmente, mais de metade das famílias não têm qualquer filho e 24% optam por ter um único filho. Apenas 3% dos casais têm três ou mais filhos. A situação só não é pior porque as vagas sucessivas de imigrantes têm vindo rejuvenescer a população portuguesa . A queda da natalidade, iníciada nos anos 60, atingiu o indicador da fecundidade de 1,4 filhos por mulher em 1986, segundo a Associação Portuguesa de Demografia. Este indicador, muito baixo, manteve-se constante durante alguns anos mas já desceu. Estamos a envelhecer a um ritmo preocupante .O que os números mostram, para além de um acesso muito generalizado a métodos contraceptivos, sobretudo à pílula, é que hoje há valores diferentes em relação à família, aos casais, ao papel da mulher e à criança. A queda da natalidade é, em primeiro lugar, fruto de uma mudança de mentalidades. Sem contracepção e sem o controlo da natalidade, as mulheres continuariam em casa. Hoje,enchem as universidades, trabalham, têm uma carreira, ocupam cada vez mais lugares de chefia. Isto é positivo, mas as consequências estão à vista. A primeira é o adiamento da decisão de ter filhos. Não é por acaso que, actualmente, as portuguesas têm o seu primeiro filho aos 27,5 anos.Quando jovens, as mulheres competem em pé de igualdade com os homens no emprego mas, à medida que começam a ter filhos, além das licenças e do horário reduzido, passam a estar menos disponíveis para fazer horas extraordinárias, para trabalhar em turnos nocturnos ou fins-de-semana, faltam mais. A mulher passa a ser prejudicada no seu emprego e, para evitar sentimentos de insatisfação e frustração, opta por ter menos filhos. É preciso ter tempo de qualidade para lhes dar e não admira, portanto, que a queda da fecundidade coincida com a massificação do ensino em Portugal. Em vez de irem trabalhar e contribuírem para o orçamento familiar, as crianças vão para a escola e ficam dependentes dos pais durante muito mais tempo. Claro que há opções: um dos membros do casal poderia ficar em casa ou trabalhar em tempo parcial para ter tempo para os filhos. Com os índices de pobreza do nosso país e com a recessão à vista, isto é muito complicado. Poucas, muito poucas, são as famílias portuguesas que podem dispensar parte do seu rendimento ou que sequer podem contar com o apoio da família na difícil tarefa de educar as crianças. Não deixa, no entanto , de ser preocupante o facto de os ideais de fecundidade de muitos casais serem superiores ao número de filhos que de facto têm, o que significa que há uma margem de insatisfação. Os portugueses têm noção de que o número de filhos influencia a sua qualidade de vida.Ter um filho implica uma grande disponibilidade para sacrifícios e ter recursos económicos para o sustentar. Ter um filho, hoje em dia, é um luxo. Um luxo com muitas despesas. A começar no preço das casas e das creches, passando por muitos outros gastos. Temos um curva da fecundidade em U. Quem tem mais filhos são as classes mais pobres, menos informadas, e as classes altas. As classes médias têm menos filhos porque são as mais sacrificadas. O envelhecimento da população é um sinal dos tempos. Um sinal preocupante na medida em que uma sociedade envelhecida é muito menos aberta à inovação e à mudança. Não restam dúvidas de que os corajosos pais de hoje, mesmo os pais de um único filho ou de dois filhos deviam ser compensados. Com as condições actuais, ter filhos é, cada vez mais, um acto de coragem.
Fontes : internet e imprensa semanal

34 comentários:

Papoila disse...

Cata-Vento:
Um belíssimo artigo, muito bem escrito e que toca todos os pontos fundamentais do significa o indice de envelhecimento de uma população.
Gostei imenso.
Beijos

Cata-Vento disse...

Papoila

Bem-vinda, amiga!

Estamos perante uma Europa cada vez mais envelhida e com os tempos que se avizinham não se prevê uma melhoria dos índices de natalidade.

Bem-hajas!

Beijinhos

heretico disse...

texto muito oportuno. excelente.

abraços

lagartinha disse...

Muito me orgulho de fazer parte dos 3%! Tenho pago bem cara essa opção, mas de facto, os sucessivos desgovernos têm sido um preservativo à maneira...

Já roda o cata-vento!

Beijinhos

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá, belo texto muito actual...Espectacular...

Cata-Vento disse...

Herético

Sê bem-vindo. Esta casa tem muito gosto em receber-te.

Bem-hajas!

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Lagartinha

Pois é, Lagartinha, não é qualquer um que pode pertencer a esse grupo.
Este cata-vento é muito comedido nas palavras. Há que ter contenção! Este governo tem-nos "presenteado" bem.

Bjinhos, minha folhinha de alface.

Cata-Vento disse...

Fernando Santos ( Chana)

Sê bem-vindo, amigo fotógrafo.

Bem-hajas!

Beijinhos

Isa disse...

Cata-Vento, estupendo texto,minha Amiga."Tocaste" nos pontos fundamentais e li-o com prazer.Mt.
bem escrito.Agarra quem aqui passa.
Olha,a foto é belíssima.Também ela fala...A expressão do olhar,a mão
já deformada,o ar ausente.Tocou-me tanto como o texto.
Beijoo.
isa.

pinguim disse...

Um autêntico tratado demográfico sobre a natalidade. Brilhante.

avelaneiraflorida disse...

Cata-vento!!!!
Esclarecido. Lúcido. Objectivo.
Um texto que, se me permites, vou levar para os meus "besouros"!!!!
Eles precisam de ver que na NET há algo e alguém que vale a pena ler!!!!
" Brigados"!!!!

Bjkas!!!

gaivota disse...

é como dizes, minha querida, e cada vez mais velhos e envelhecidos seremos, isto de ter filhos é mais que um luxo!
sei bem, muito bem, nem quero dizer o quanto custa a creche do meu salvador ou a escola (colégio) do martim... e depois comparo estas situações com as minhas nmeninas lá longe...
será que estamos na europas?!?!?!?
gostei muito do foto, fez-me lembrar a minha avó...
beijinhos

Pico minha ilha disse...

Texto bem escrito e a mostrar a pouca sociedade com que vamos ficado, também da maneira que tudo está alguns não nascem porqwue não os querem e outros nem posses têm para os criar.Tenho 2 filhas adora um filho, a idade não é a melhor e por outro lado tenho receio de muitas complicações, pois a saúde se foi, só por isso mesmo, pois vontade não falta.Beijinhos
por aqui frio

vaandando disse...

Sabemos destas coisas , mas fazemo-nos desentendidos ou desentendem-nos ...
Gostei de ler esta análise lúcida e documentada , mas geralmente temos pouca consciência histórica , e não atentamos nisso, veja por exemplo a forma como tratamos os nossos emigrantes , sabendo que sempre fomos um povo de emigrantes ...
Um filho é um luxo , esta é uma afirmação brutal na sua mais crua realidade ....

cordialmente_________ JRMARTO

Cata-Vento disse...

Isa

Agradeço as palavras que aqui ficaram registadas mas outra coisa não fiz do que uma adaptação das fontes citadas.

Bem-hajas, amiga.

Mil beijinhos

Cata-Vento disse...

Pinguim

Amigo, as tuas palavras são sempre muito bem-vindas. As estatísticas não deixam prever grandes alterações no que concerne ao rejuvenescimento da população.

Beijinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Avelaneiraflorida

Querida amiga,mais não fiz do que adaptar as fontes citadas no post. Poucas palavras minhas. Por enquanto!

Mil beijinhos.

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Gaivotinha

Começo agora a aperceber-me melhor quanto custa ter um filho. Como pode aumentar a natalidade? Os encargos que advêm do nascimento de uma criança são, a maior parte das vezes, incompatíveis com os orçamentos das famílias.

Elas são o melhor que o mundo tem e, por isso, só podem vir quando desejadas.

Mil beijinhos

Cata-Vento disse...

Pico Minha Ilha

Um dos graves problemas da actualidade. O rejuvenescimento da população é incompatível com a crise em que vivemos.

Beijinhos mil

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

vaandando

Seja bem-vindo à casa deste humilde cata-vento. Durante muitos séculos fomos um país de emigrantes. Em breve falarei sobre este tema.

Beijinhos

Bem-haja!

Tiago R Cardoso disse...

A questão é nós estarmos num país onde não se promove a natalidade.

Os apoios são escassos, mesmo que tenham vindo a aumentar a vida, o trabalho, resumindo o ganha pão, empurra a decisão do primeiro filho para muito tarde.

Acredito que um país que não promova o nascimento não promove o seu futuro.

Cata-Vento disse...

Tiago

O panorama é negro em todos os aspectos e o futuro pouco promissor.

Bem hajas!

Beijinhos

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Olá,
Como é verão aqui em Florianópolis SC, muitos turistas na ilha, e eu trabalho diretamente com turismo estou com pouco tempo, então só passo para uma visita rápida e ver as novidades.
Um grande abraço

Cata-Vento disse...

Uma página para dois

Agradeço-lhe a sua passagem pelo cata-vento, caro visitante. Aqui faz um frio de rachar e o trabalho também não me falta. Felizmente! O desemprego é tanto que ter trabalho é muito bom.

Um abraço deste lado do oceano

jo ra tone disse...

Amiga,
Dei o meu contributo para renovação deste velho país
São hoje três jovens, que os governos até aqui pouco ajudaram, e ainda por cima teimam em dar cabo da minha família...de todas as famílias.
Isto é uma realidade
Beijo

Cata-Vento disse...

Jo ra tone

Lembrei-me de ti, amigo. Estás entre aqueles corajosos que contribuíram para o rejuvenescimento da nossa população.

Bem-hajas!

Beijinhos

Ana disse...

Uma excelente análise. A queda da natalidade e o avanço da medicina que permite que a esperança de vida seja hoje maior do que era há muitos anos atrás, fazem com que sejamos um país envelhecido.

Parabéns pelo blogue. As tuas palavras são inconfundíveis, Amiga. É bom reencontrar-te :-)
Um beijo com amizade.

Cata-Vento disse...

Sê bem-vinda, Ana! Esta casa também é tua e, como sabes, és uma presença imprescindível.
Este humilde cata-vento avista o mar e a serra.

Beijinhos

Bem-hajas!

o escriba disse...

Cata-Vento

Efectivamente as politicas laborais e sociais não têm levado em conta estes números e estas situações de fraca natalidade e o envelhecimento das populações. São as políticas economicistas que têm prevalecido e os resultados aí estão. Tens razão: ter filhos é um luxo. Eu cá só fiquei com uma filha precisamente pelo trabalho. Quando engravidei, trabalhava numa empresa e fui despedida. Tive que escolher, assim ficou filha única.

bjinhos
Esperança

Filoxera disse...

Tens razão, ter um filho é um luxo. E eu fui teimosa e tive dois... São o meu orgulho, mas realmente é difícil. Sobretudo quando a vida prega partidas...
Beijos. E saudades. Dá notícias, sim?

Cata-Vento disse...

Escriba, amiga

Pois, essses " incentivos" laborais não podem conduzir ao aumento da taxa de natalidade.A população precisa renovar-se, crescer, mas os apoios do governo falham. E se fosse só isso!

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Filoxera

Os filhos são a nossa maior riqueza. E esses dois meninos valem ouro.No entanto,os apoios governamentais falham e nós, por vezes, sentimos que não lhes podemos dar o futuro que tanto queríamos. Não desistas, amiga, de lutar pelos teus objectivos.Hás-de conseguir!

Beijinhos mil

ASPÁSIA disse...

É UM FACTO PREOCUOANTE! N ENTANTO A PPULAÇAO MUNDIAL AUMENTA DEVIDO AOS PAISES SUBDESENVOLVIDOS.. JA NAO SE DIZ ASSIM, EU, SEI, MAS ESTOU A COENTAR COM DIFICULDAES.
DEVISO AO LEITRO DECRAN, DEPOIS NA CX DE COMENTARIOS A TECLA DE APAGAR NAO APAGA...

MAO TIVE FILHOS POR UMCJ DE CIRCUNSTANCIAS E TB POR "FALTA DE VOCAÇAO", AMIGA, MAS RECONHEÇO QUE TALVEZ DEVESSE TIDO 1.
AGORA É TARDE, NAO LAMENTO , MAS COM O AVANÇAR DA IDADE, PENSO A QUEM LEGAR T1 DIA TODO O ENORME LEGADO CULTURAL DA FAMÍLIA.
OLHA, VÁ HAVENDO SAÚDE POR AQUI QO FUTURO UM DIA PDE TRAZER SURPRESAS!
A TI GOSTARIA DE UM DIA DAR ALUNS LIVROS DE INHA IRMÃ.

HOJE ESTOU MELHOR DOS OLHOS. FELIZMENTE QO PRODUTO QUE DESCOBRI HA POUCOS MESES, DEFACTO É MUITO BOM.
AMANHA A TD VEM CÁ FAZER 1 VISITA.
TENHO-LHE DADO MUITOS DVDS CO MUITO GOSTO POIS ELA VE UITOFILMES E SAEM MUITOS COM O JORNAL Q MEU PAI COMPRA TODOS OS DIAS.

NAOIMAGINAS OS MALABARISMS Q FAÇO PARA LER BLOGS, MUITAS VEZES C O LEITOR DE RCRAN NUN PC AVARIADO Q TENHO AQUI NA COZINHA... MAS QDEPOIS DE CONSEGURI ARRANCAR FICA OPTIMO - O PC

DEPOIS MTAS VEZES OUÇO VARIOS BLOGS MAS NAO POSSO COMENTAR DE SEGUIDA E AS TANTAS QDO VOU A COMENTAR PASSADS VARIAS HORAS E EM OUTRO PC, JA NAO ME LEMBRO BEM D Q OUVI....

DESCULPA ESTES DESABAFOS, AMIGA, NAO É AQUI O MELHOR SITIO PARA ISTO...

BOA SEMANA DE TRABALHO!
BEIJINHOS GRANDÕES!

Cata-Vento disse...

É de facto preocupante que o rejuvenescimento da população não se vá fazendo mas os apoios aos jovens pais não permitem essa autêntica aventura que é, hoje, pôr um filho no mundo.

Terei muito gosto em encontrar-me contigo e poder receber alguns livros da tua irmã. A seu tempo esse encontro acontecerá. Já és uma amiga. E gostei tanto de te ouvir alfacinha da Penha de França.
Dá um abração à TD.
Beijinhos mil

Bem-hajas!