sábado, 4 de abril de 2009

A Rapariga do País de Abril

Salgueiro Maia, o tão grande, tão corajoso mas tão simples capitão de Abril morreu a 4 de abril de 1992. 17 anos passaram mas não poderá ser esquecido. Muitos ficaram eternamente gratos a este amigo da Liberdade que eu vi, há 35 anos, a comandar as operações no Largo do Carmo em Lisboa. Lá onde estás,amigo, recebe o meu abraço de gratidão.







Habito o sol dentro de ti
descubro a terra aprendo o mar
rio acima rio abaixo vou remando
por esse Tejo aberto no teu corpo.

E sou metade camponês metade marinheiro
apascento meus sonhos iço as velas
sobre o teu corpo que de certo modo
é um país marítimo com árvores no meio.

Tu és meu vinho. Tu és meu pão.
Guitarra e fruta. Melodia.
A mesma melodia destas noites
enlouquecidas pela brisa no País de Abril.

E eu procurava-te nas pontes da tristeza
cantava adivinhando-te cantava
quando o País de Abril se vestia de ti
e eu perguntava atónito quem eras.

Por ti cheguei ao longe aqui tão perto
e vi um chão puro: algarves de ternura.
Qaundo vieste tudo ficou certo
e achei achando-te o País de Abril.


Manuel Alegre30 Anos de Poesia
Publicações Dom Quixote


E a Liberdade entrou pelas portas de Abril num cravo rubro tão sonhado, tão desejado,conquistado com sangue, suor, lágrimas e....Alegria. Há 35 anos!!!! Reguemo-lo!

18 comentários:

Isa disse...

Manuel Alegre foi excepcional na Poesia de Intervenção,chamemos-lhe assim.
Que sonho lindo que tive!
Recuso que se torne pesadelo!
Beijo.
isa.

Papoila disse...

Querida Cata-Vento:
Vamos continuar a regar estes cravos.
Grande poema de Manuel Alegre.
Beijos

pinguim disse...

Manuel Alegre é não só um grande poeta, mas também consegue enternecer-nos com pequenas pérolas em prosa como esse maravilhoso "Cão como nós"!!!
Beijinho.

aflores disse...

35 anos a cuidar deste simbolo de Abril...ás vezes perco a esperança, o que é normal, quando se vê a Revolução (quem a fez e a sua finalidade)) a ser tão mal tratada.

É bom (re)viver Abril!

Bem haja :)

gaivota disse...

mês de abril, lisboa coberta de fardas e armas com cravos, foi há 35 anos! foi um sonho real, sem sangue, transportado pelas mãos de tantos que souberam o seu significado! manuel alegre, um lutador, um homem que sabe dizer e escrever a luta dos oprimidos...
agora há outras formas de repressão, de suposta liberdade e democracia, que sai da boca e das mãos de tantos que se dizem pelo 25de abril, sempre!
que pena!!!
beijinhossssssss milessssssss
sempre!

Andradarte disse...

Passei por aqui.....e parei. Deliciei-me com o meu amigo Zeca.
Que saudades´.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Cata-Vento

Sou uma admiradora incondicional de Manuel Alegre quer como poeta quer como prosador.Um homem da revolução sem dúvida. Um político algo inconsequente também.
Porém as mensagens ficaram em memórias que se legam tal como Abril já tão distante e no entanto para alguns tão perto.
Salgueiro Maia é uma bandeira nas nossas memórias qundo o recordamos cheio de significado.
Um significado que, como ele, morreu para alguns.
Há pois que lembrar e dar continuidade a uma luta que deve estar presente para que todos possam ter igualdade de oportunidades num contexto de maior equidade e justiça social.

Abraço

Zé Povinho disse...

As plantas e as flores necessitam de ser regadas, e a Liberdade tem que ser alvo de muita atenção, porque regredir um pouco que seja talvez obrigue muitos a terem de lutar mais ainda para reconquistar o que se vai perdendo.
Abraço do Zé

vaandando disse...

JUSTA LEMBRANÇA...

abraço fraterno

__________ JRMARTO

Chanesco disse...

Salgueiro Maia: um cravo rubro de um craveiro florido numa varanda de Abril.

Abraço

Filoxera disse...

Abril é, para mim, e por diversos motivos, um mês especial. Este é um deles.
Beijos vermelhos.

o escriba disse...

Isamar

Celebremos o que ainda resta da Liberdade!

Bom fim de semana
bjinhos
Esperança

Isabel Pedrosa Pires disse...

Hoje estive no Tivoli a assistir ao espectáculo "As vozes que Abril Abriu" e a Catarina Salgueiro Maia lá esteve a lembrar o seu Pai.
Ela que pouco tempo teve para usufruir da sua companhia. Emocionei-me.

Alexa disse...

AMIGO
Madrugada de 25 de abril de 1974, parada da Escola Prática de Cavalaria em Santarém.

"Há diversas modalidades de Estado :Os estados socialistas, os estados corporativistas e o estado em que isto chegou!
Ora nesta noite solene, vamos acabar com o estado a que chegámos. De maneira que quem quiser vem comigo para lisboa e acabamos com isto. Quem é voluntário sai e forma. Quem não quiser vir não é obrigado e fica aqui".
Salgueiro Maia

Todos os 240 homens que ouviram estas palavras ditas de forma serena mas firme, tão caracteristica de Salgueiro Maia, formaram de imediato . Depois seguiram para lisboa e marcharam sobre a ditadura.

O seu post está muito belo voltarei,os poemas e as fotografias fizeram-me regressar à 35 anos atrás.
Um Abraço Fraterno

De Amor e de Terra disse...

Bom dia Isabel!!!
Que bom eu poder voltar (agora só de vez em quando) a visitar as Amigas e os Amigos, assim de manhãzinha!
Que bom também, ao chegar à tua porta, ver esta Memória dum tempo de sonhos ao rubro, como esses cravos.
E que pena terem murchado depressa, apesar de regados!
Espero que tal como tu, os nossos corações continuem não esquecendo e dêem provas disso.
Beijos minha linda e bom Domingo.
Maria Mamede

Jorge P.G disse...

Salgueiro Maia é herói porque morreu, como acontece sempre aos "heróis" dos povos.
Teve uma atitude de firmeza e coragem que muito e muito contribuiu para que a democracia e aliberdade se instalassem no país.
Hoje, pergunto-me o que diria Salgueiro Mais se fosse vivo.

Um abraço.

pinguim disse...

O destino tem destas coisas: marcar uma data "marcada" por outra morte que ontem sofri...
Beijo.

elvira carvalho disse...

Salgueiro Maia. Ah! Salgueira Maia, que Deus te poupou de veres o rumo que deram à democracia com que sonhavas...
Um abraço