terça-feira, 30 de junho de 2009

É tarde demais!

O Verão está aí mas não me parece que tenha vindo para ficar. As últimas semanas de Primavera anunciaram-nos um Verão quente mas tudo não passou, por enquanto, de um falso alarme. O céu nublado, as pingas de chuva, o vento, as manhãs e as noites frescas nada têm em comum com outros tempos em que as gentes da minha terra dormiam nos terraços, sob os alpendres e até no meio da eira ou debaixo das frondosas azinheiras que por aqui abundam.
Quente ou não, penso que, de palavras, o Verão irá ficar ao rubro. Com as legislativas marcadas para Setembro e as autárquicas para Outubro não é crível que o tenhamos morno. Os partidos da oposição irão dar tudo por tudo para ganhar votos e destronar a maioria que nos governa há quatro anos . Parca de humildade mas plena de arrogância e de incapacidade de diálogo, não lhe será fácil convencer aqueles que, como eu , não crêem numa viragem à esquerda nem numa imagem diferente daquela que sempre ostentaram com orgulho. A inflexibilidade que manifestaram ter para com os professores e funcionalismo público em geral chama-se pesporrência, incapacidade de diálogo, autoritarismo. Agora, é tarde demais. Sopas depois do jantar como dizem os serranos porque lutam pelo trabalho, pelo pão, pela educação, pela saúde e sabem, por experiência própria, quanto amargo é o pão que lhes têm servido. Aqui colhem-se as batatas, o feijão verde, ceifa-se o trigo, monda-se e rega-se o milho.Trabalho suado que não é tido em conta na hora da reforma. Os euros não dão até ao fim do mês, a farmácia corta-lhes uma boa talhada e o que fica, mal dá para as despesas fixas. Quão desvalorizado tem sido este trabalho que mata a fome aos citadinos que em jeito de desprezo ainda lhes chamam de montanheiros!
Faltam-me as palavras mas sobra-me a indignação e esta não se esvai com promessas. Quer obra feita! É pecaminoso prometer e não cumprir. Nós, os cidadãos comuns, queremos palavras vivas, novas, porque aquelas que ouvimos não tiveram o peso nem a conta nem a medida que delas esperávamos.

22 comentários:

amigona avó e a neta princesa disse...

Estou contigo minha amiga. É preciso que se cumpra o que se promete. Infelizmente muitos de nós não sabemos ver o que, às vezes, está mesmo ali, ao nosso lado...Teimamos em fazer de conta ou então iludimo-nos (mais uma vez) com o discurso fácil!...deixo-te um abraço apertado (tenho muitas saudades tuas!)...beijos amiga...

Isa disse...

Estou nessa contigo, querida.
Sabes o q. me dói muito mas mto?
Deixei de acreditar! Isso mesmo!
Beijo.
isa.

Avelaneira Florida disse...

ISAMAR!!!!

Como eu compreendo estas palavras e o sentir que as ditou!!!!Quando recordo os ensinamentos da infância, por alguém muito querido, aprendi que a VERDADE está acima de tudo, de TUDO, MESMO!!!!
Hoje, ao olhar em redor, lembro-me de tudo quanto me foi ensinado e sinto que ainda VALE a PENA continuar nesse caminho!!!! E quero ser capaz de transmitir aos que me rodeiam, ainda que contra a corrente, esses mesmos ideais!!!! Será a melhor maneira de agradecer tudo quanto me foi dado até hoje!!!
Pena que os senhores do poder não sejam capazes de olhar-nos nos olhos e dizerem claramente o que lhes vai no coração!!!!

Tudo de BOM PARA TI!!!!
Bjkas, Amiga!!!!

lilás disse...

Como te compreendo...deixei de acreditar e agora?
Bjs

Vicktor disse...

Querisa Isamar
Na minha modesta opinião é possível uma vida melhor, mais justa para com os desfavorecidos, com mais verdade e sentir...
Che disse uma grande verdade: "podemos continuar a ser revolucionários sem perder a capacidade de afecto"
Deveremos continuar a lutar para que o poder volte às mãos dos povos de todo o Mundo.... não continue nas mais dos elitistas, senhores da guerra e da destruição...
Beijinhos.


nota: tenho um "senhor do vento" para te enviar... sou tótó, não encontro o teu endereço electrónico. bjs

SILÊNCIO CULPADO disse...

Isa
Regresso de férias e a minha primeira visita é para ti. Algo me diz que, mais ao sul de onde me encontro, o mar fica encapelado e os sonhos mais difíceis. Porém conhecendo a tua fibra sei quanto poderás dar para que o Verão seja mesmo Verão ainda que a chuva e as palavras por vezes o impeçam.
É impossível que alguém que olhe à sua volta e interprete os sinais possa acreditar em palavras de políticos que nos têm governado nas últimas décadas. Precisamos de soluções novas que só podem ser encontradas onde o vento da ambição corrupta ainda não fez sentir os seus efeitos.
Querida, o Verão há-de chegar para ti e para mim e para todos os que, como nós, acreditam na construção e na vida.

Abraço

greentea disse...

estou a ver se sei quem és ... tinhas outro blog e outro nome
acho q tou quase a saber ...
ainda bemn q voltaste !!

elvira carvalho disse...

Posso assinar em baixo?
A minha avó costumava dizer que quem não pode dar não faz promessas, porque depois vai levar a vida aos tombos, por causa das promessas não cumpridas. Coisas que os antigos diziam. Se houver nisso alguma verdade, não direi que o governo leve a vida aos tombos mas as eleições decerto que sim. Já levaram o primeiro, poderão levar mais dois.
Um abraço

MPS disse...

Chamam-lhes montanheiros quando lhes não chamam labregos! O diabo que os carregue! Deles nem palavras novas quero! Mas quero gente nova - que até pode ter mais de 100 anos.

Foi um prazer encontrar, de novo, um texto cheio de garra.

Um grande abraço

helia disse...

Promessas,Promessas,Promessas...Muitas Promessas e poucas ou nenhumas obras feitas! O País está um caos e eu já não acredito nos políticos

Ana disse...

Estou totalmente de acordo contigo! É tarde demais!

Mas, no entanto, há uma consequência positiva da desilusão que a todos nos atinge . As palavras vivas que só alguns sabem transformar em grito de revolta. Tal como o texto que nos deixas . Tinha saudades de te ler assim, Isamar.

Um beijo grande.

Papoila disse...

Querida Amiga:
Não poderia estar mais de acordo contigo! Mas como avó continuo a passar os valores que me fizeram ser o que hoje sou... penso que esse é o caminho e sinto uma geração de jovens muito mais preocupados com a verdade e com o ambiente, com um pensamento muito ecuménico que transpõe as ideologias gastas nas intenções partidárias. Ideais de liberdade e equiedade que ultrapassam os actuais partidos.
Beijos

heretico disse...

é tarde demais. mas há sempre alternativas. sem preconceitos...

beijos

Pico minha ilha disse...

É tarde de mais sim, nada se faz, nada se cumpre e nós é que levamos sempre com a crise em cima.Um beijinho com amizade

gaivota disse...

é verdade, minha querida, tudo a realidade que temos hoje em dia...
a qualidade de vida dos ditos senhores "à sombra" dos trabalhadores, os tais montanheiros e os tais pescadores, os homens do mar...
apenas o que na realidade se vê é que é verdade, o resto é conversa, utopia...
beijinhossssssssssss mileeeeeeeesssssssssss

com senso disse...

Durante muitos anos e até mesmo agora de uma forma mais moderada, empenhei-me em causas cívicas e liguei-me a determinadas opções políticas.
Infelizmente, conclui que se as coisas estão mal, tal acontece sobretudo porque não há empenhamento, cidadania, vontade de roubar uma ou duas horas semanais para participar, influir, dar opinião, ajudar a mudar por dentro os partidos.
A falta de paricipação generalizada abriu caminho a que os oportunistas, carreiristas e outros piores ainda se apoderassem dos partidos.
Infelizmente temos uma classe política, quer a do governo, quer a da oposição que não tem o mínimo de ideias sobre o futuro do país e, no caso das autarquias, sobre as cidades.
E nós todos, alegre e inconscientemente, vamo-nos lamentando e não fazendo nada!
Eu, por mim, vou continuar a participar, mas sinceramente , face ao panorama geral, sugiro activamente o voto em branco.
Nestas últimas eleições, ele atingiu já cerca de 4,5%. Imaginem o que não seria se chegasse aos 30%
A imagem que todos transmitiriamos para o exterior, era de que a nossa classe política não serve, é mediocre e incapaz... Penso que a repercussão p~ublica seria tão forte, que os partidos teriam que começar a agir de forma diferente...
Mas para que tudo isso valha a pena, temos que participar....
Se não o fizermos ou voltaremos a ter um Sócrates que foi um mau primeiro ministro, ou uma Ferreira Leite que também já foi uma péssima ministra da educação e uma ainda pior ministra das finanças...
E a culpa será apenas e só nossa!
Um beijinho!

tinta permanente disse...

Mas não fora este rincão Portugal, não fora o Fado, vadio e peralvilho, a música bem seria outra. Mas não: continuará a ser uma desbotada ópera bufa.
E nem preciso que o cego diga 'a ver vamos, a ver vamos...'
É certinho!


abraços
www.tintapermanente.com

mixtu disse...

vem aí o verão
tempo de ferias
de descanso
depois do verão...
as eleições...
na certa que na serra vamos votar no nosso 1º ministro, porque sim e porque não há alternativas, mas acima ed tudo... por sim...

abrazo serrano

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Isamar, na verdade não podemos desistir de uma sociedade mais justa, mais democrática....
Beijos

pinguim disse...

Estamos numa encruzilhada; cheguei à conclusão que qualquer opção que tome é má, desde a abstenção, ao voto em branco, nulo ou em qualquer partido.
apesar de tudo já decidi como vou votar, no mal menor; só não digo qual...
Beijinho.

vaandando disse...

VIVA Isamar !
Gestos de lado que ficam dois minutos na memória dos portugueses , fica aqui o meu agrado pelo fado ouvido , de uma fadista que não aprecio muito , mas gosto de fado !
Abraço
_______ JRMARTo

jo ra tone disse...

Quão difícil está a vida Isamar.
Esperamos melhores dias
e tb uma mudança de mentalidade dos governantes, para que não passamos a comer só sopa.
É que a sopa d'hoje nem é como a dos nossos avós.
Nao tem uns ossinhos com fêvera ou entremeada e chouriço.

Beijinhos daqui