sábado, 17 de janeiro de 2009

Miguel Torga partiu há catorze anos.



Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia Rocha, nasceu em São Martinho de Anta, Vila Real, a 12 de Agosto de 1907 e faleceu em Coimbra 17 de Janeiro de 1995 . Completam-se hoje catorze anos.
Filho de Francisco Correia Rocha e Maria da Conceição Barros, gente humilde do campo do concelho de Sabrosa (Alto Douro), foi servir, aos dez anos, para uma casa apalaçada do Porto, habitada por parentes seus. Fardado de branco servia de porteiro, moço de recados, regava o jardim, limpava o pó, polia os metais da escadaria nobre, atendia campainhas. Foi despedido um ano depois, devido à sua constante insubmissão. Em 1918, foi para o Seminário de Lamego, onde viveu um dos anos mais marcantes da sua vida. Lá melhorou os conhecimentos de Português, de Geografia, de História, aprendeu o latim e familiarizou-se com os textos sagrados. No fim das férias comunicou ao pai que não seria padre. Emigrou para o Brasil em 1919, com doze anos, para trabalhar na fazenda do tio, na cultura do café. O tio apercebe-se rapidamente da sua inteligência e paga-lhe os estudos liceais, em Leopoldina. Distingue-se como um aluno dotado. Em 1925, na convicção de que ele havia de vir a ser doutor em Coimbra, o tio propôs-se pagar-lhe os estudos como recompensa dos cinco anos de serviço prestado e , assim, voltou a Portugal. Em 1928 , entrou para a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e publicou o seu primeiro livro , de poesia,"Ansiedade". Em 1929, com 22 anos, deu início à colaboração na revista Presença , de arte e crítica, com o poema “Altitudes”. A revista, fundada em 1927 pelo grupo literário de José Régio, Gaspar Simões e Branquinho da Fonseca, era bandeira literária do grupo modernista. Em 1930 rompe definitivamente com a revista Presença por razões de discordância estética e de liberdade humana. Foi bastante crítico da praxe e tradições académicas, e chamou depreciativamente "farda" à capa e batina, mas sempre amou a cidade de Coimbra, onde viria também a exercer a sua profissão de médico a partir de 1939 e onde escreveu a maioria dos seus livros. Em 1933, concluiu a licenciatura em Medicina com apoio financeiro do tio do Brasil. Exerceu no início nas agrestes terras transmontanas, de onde era originário, e que são parte integrante da sua obra.
torga duriense

Em 1934, aos 27 anos, Adolfo Correia da Rocha auto-define-se pelo pseudónimo que criou, "Miguel" e "Torga". Miguel, em homenagem a dois grandes vultos da cultura ibérica: Miguel de Cervantes e Miguel de Unamuno. Torga é uma planta brava da montanha, que deita raízes fortes sob a aridez da rocha, de flor branca, arroxeada ou cor de vinho, com um caule rectilíneo. A sua campa rasa em São Martinho de Anta tem uma torga plantada a seu lado, em honra ao poeta. A sua obra tem um carácter humanista criado nas serras trasmontanas, entre os trabalhadores rurais. Assistindo aos ciclos de perpetuação da Natureza, Torga aprendeu o valor de cada homem, como criador e propagador da vida e da Natureza: sem o homem, não haveria searas, não haveria vinhas, não haveria toda a paisagem duriense, feita de socalcos nas rochas, obra magnífica de muitas gerações de trabalho humano. Ora, estes homens e as suas obras levam Torga a revoltar-se contra a Divindade Transcendente . Para ele, só a humanidade seria digna de louvores, de cânticos, de admiração: (hinos aos deuses, não/os homens é que merecem/que se lhes cante a virtude/bichos que cavam no chão/actuam como parecem/sem um disfarce que os mude).
Para Miguel Torga, nenhum deus é digno de louvor: na sua condição omnisciente é-lhe muito fácil ser virtuoso, e enquanto ser sobrenatural não se lhe opõe qualquer dificuldade para fazer a Natureza - mas o homem, limitado, finito, condicionado, exposto à doença, à miséria, à desgraça e à morte é também capaz de criar, e é ,sobretudo, capaz de se impor à Natureza, como os trabalhadores rurais trasmontanos impuseram, a sua vontade de semear a terra aos penedos bravios das serras. E é essa capacidade de moldar o meio, de verdadeiramente fazer a Natureza mau grado todas as limitações de bicho, de ser humano mortal, que, ao ver de Torga, fazem do homem único ser digno de adoração.
Considerado por muitos como um avarento de trato difícil e carácter duro, foge dos meios das elites pedantes, mas dá consultas médicas gratuitas a gente pobre e é referido pelo povo como um homem de bom coração e de boa conversa.

Como poeta e romancista está , para mim, como há muito sabem, entre os maiores. Homem serrano como eu tem a minha estima, consideração e respeito incondicionais.


Confiança

O que é bonito neste mundo, e anima,
É ver que na vindima
De cada sonho
Fica a cepa a sonhar outra aventura...
E que a doçura
Que se não prova
Se transfigura
Numa doçura
Muito mais pura
E muito mais nova...

Miguel Torga


Imagens e texto tirados da net

52 comentários:

gaivota disse...

minha querida amiga, torga foi aquele poeta que encheu e enche a alma na sua leitura desmedida...
uma das minhas filhas adora tudo o que vem das mãos dele, e na singeleza deste poema está tudo mais cheio de "Confiança" com duçuras mais puras e mais novas...
bom fim de semana
toda a minha amizade e todo o carinho
bem hajas, isabel
mil beijinhossssssssssss
(também sou assim, de beijinhos...)

Cata-Vento disse...

Torga está à minha cabeceira com Sophia, Fernando Pessoa...
Não dispenso a leitura de um ou mais poemas todas as noites. Fui e continuo embalada pela poesia. Mas por este serrano tenho uma paixão especial. Une-nos a serra, a rectidão no comportamento,a natureza nua e crua onde Divina Providência nos fez nascer, o lema do antes quebrar que torcer. A Sophia liga-me o mar e a luta pela Liberdade, um direito inalienável de todos nós.

Beijinhossssss mil e muitosssss

Pena disse...

Talentoso Amigo:
A terra-natal de Miguel Torga, onde nasceu e está sepultado, encontra-se a 8 km de minha casa.
Fez-lhe uma fantástica homenagem.
Bem-Haja, amigo!
O brilhante poeta agradecer-lhe-ia.

Adoro Pessoas!
Adoro o meu viver. O meu sentir.
Acredito...! Nos meus sentimentos e pensamentos.
Enfim... Penso Ser Esta A Minha Verdadeira Identidade...!
"Visto" sempre a minha seriedade.
Sou uma pessoa desconhecida de mim e dos outros, mas séria, sabem...???

Miguel Torga fez parte dos meus sonhos de adolescente. Brilhou. Encantou. Viveu.
Foi um gesto fabuloso da sua parte, ímpar amigo.

Abraço de amizade, estima e respeito.
Cordialmente agradecido pela simpatia no meu "cantinho"...
Sempre a considerá-lo e a admirá-lo
O AMIGO SINCERO

pena

OBRIGADO, amigo genial!

Cata-Vento disse...

Pena

Este cata-vento é feminino, teu amigo de há muito tempo mas mudou-se de armas e bagagens para um lugar onde sopram bons ventos.

Beijinhos mil

Bem-hajas!

pinguim disse...

Torga é um nome maior das letras portuguesas; que me desculpem os fanáticos de Saramago (o seu Nobel encheu-me de orgulho, talvez porque sou mais português do que ele), mas se algum escritor Português mereceu um dia o Nobel foi ele, mas na altura Portugal estava "proíbido" de receber tais honras...
E depois há a Sophia, o Eugénio...
Beijinhos.

o escriba disse...

Cata-Vento

Lembrar Torga,as suas palavras, os seus olhares sobre a vida, amor e morte, é preencher o nosso espírito com tesouros inestimáveis.

bjinhos
Esperança

Isa disse...

Depois dum belíssimo almoço,dum bolo de anos com alusão ao Pedro(dia 21/12)e ao Nuno,ontem,já saíram e venho ler os Amigos.
O Pedro comoveu-se.Ñ esperava.
Sabes,Miguel Torga era mt amigo do meu Pai.Quando a mulher dele foi
perseguida pelo regime da altura e afastada da Fac.Letras,o Pai apoiou-os.Andrée Crabbé Rocha era tb.mto culta.
Ainda bem q.trouxeste a poesia dele.
Beijo.
isa.

Jorge P.G disse...

Mais uma vez trazes Torga, um dos maiores da literatra universal, quanto a mim. Resta-me deixar um abraço por não te haveres esquecido dele.
E outro, por ti.

Bom fim-de-semana.

tinta permanente disse...

Justa e sempre devida. A memória e a homenagem. Partilho-a, por inteiro. Obrigado!

abraços!

Iscte 72-77 disse...

Junto-me, com muito orgulho, a esta homenagem. TORGA é um talento MAIOR.

paradoXos disse...

bela homenagem!!
um forte abraço

- bom fim-de-semana!


com sol

Luís Galego disse...

Torga, o meu poeta.

Muito obrigado por este regresso ao homem e ao artista.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Também tenho o Torga entre os melhores. É sempre um prazer ver quem o divulgue.

Abraço

elvira carvalho disse...

Por onde andarás Vicente? Sempre que leio Torga, me lembro dele, e penso que ele teria gostado muito do seu blogue Cata-Vento.
Gostei desta pequena biografia.
Um abraço e bom Domingo

Filoxera disse...

Tanto te tens dedicado a Torga!
Muito boas, as tuas iniciativas.
Beijos.

vaandando disse...

Foi um prazer encontrar aqui esta belíssima homenagem em palavras simples a um Homem maior da nossa cultura e país...
Torga vivo permanece ....
Foi um gosto ...
Uma torga para ti ....
______--- JRMarto

Goldfinger disse...

Torga teve uma forte ligação ao povo, à terra e é poeta de referência minha amiga.

Espero que o teu fim de semana esteja a decorrer muito bem.

Bom domingo, um abraço, e um beijinho

GOLDFINGER

heretico disse...

muito bem. cultivar a memória dos nossos maiores poetas.

beijos

Isa disse...

Amiga,já agora por causa de o considerarem pouco "aberto" ao convívio(eu concordo),o meu Pai dizia q.quem tivera uma infância como ele,quem sofrera como ele,era
natural q. se fechasse,qdo ñ conhecia as pessoas.Mas era um conversador fantástico.
Bom Domingo.
Beijoo.
isa.

Fatima disse...

Um grande poeta. Uma excelente homenagem!
Bom fim de semana
http://simecqcultura.blogspot.com/

Cata-Vento disse...

Pinguim

Concordo contigo, amigo. Miguel Torga era merecedor do Nobel da Literatura. Nunca se deixou tombar sob as leis da negra e longa noite fascista. Eugénio não o mencionei mas também está sempre comigo.

Beijinhos

Bem-Hajas!

Cata-Vento disse...

Torga é um tesouro inestimável que deveria andar mais visível. Gosto tanto deste serrano!

Beijinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Isa

Miguel Torga é uma paixão de menina com o " eu sei um ovo..." lido pelo avô materno à lareira.Quantas vezes o lemos nos concursos de "arte de dizer" do avô, nas longas noites de invernia à lareira! Algumas vezes ganhei o concurso e recebia um diploma e um rebuçado enorme com amêndoas e mel. Quantas saudades!
Quanto ao meu querido Torga, conheci-o pessoalmente. E também à esposa.

Fico feliz por saber que era amigo do vosso pai.

Bem-hajas, amiga!

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Jorge P.G.

Como sabes tenho uma paixão ilimitada por Torga. É serrano como todos os meus familiares e comeu da vida dura que cabe a todos quantos têm por berço os cerros e vales este país.
Nunca o esquecerei!

Bem-hajas, amigo.

Um abraço com beijinhos

Cata-Vento disse...

Tinta Permanente

Sê bem-vindo a esta casa. As portas estão abertas. Este Cata-vento gosta de poesia, de prosa, de política, de religião, de economia...

Torga é grande como o Universo.

Bem-hajas, amigo

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Iscte72-77

TORGA está entre os MAIORES do UNIVERSO.

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Paradoxos

Obrigada! Bem-hajas!

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Luís Galego

Torga é o Poeta! Um homem que é uma paixão.

Beijinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Silêncio Culpado

Amiga algarvia, Torga é Mestre na poesia, na literatura...

Bem-hajas!

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Elvira

O Vicente está connosco. Está a ouvir-nos e se gostava tanto de Torga quanto eu, está feliz.

Mil beijinhos

Bem-hajas, Elvira!

Cata-Vento disse...

Filoxera

Torga faz-me companhia desde menina. Ainda não o lia mas já o ouvia. E fiquei-lhe ligada para sempre.

Beijinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Vaandando

Em casa dos meus avós maternos a poesia fazia-nos companhia, todas as noites, à lareira. Ninguém trocava a leitura de um poema pelos programas da televisão. Ainda assim acontece, muitas vezes, com acompanhamento ao piano.
A poesia fascina-nos .

Beijinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Goldfinger

Torga é universal. Merecia um Nobel. Nunca se deixou vergar sob o peso da ditadura fascista. E escreveu e publicou a expensas suas.

Beijinhos mil

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Herético

Torga está entre os maiores do mundo.

Beijinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Isa

São assim os serranos nascidos entre penhascos e fragas que têm de lutar pela sua subsistência.

Conheço-os bem. Eu sou serrana.

Beijinhos

Bem-hajas!

p.s. Gostei de saber da surpresa do vosso almoço.

Cata-Vento disse...

Fátima

Sê bem-vinda! As portas estão abertas.Torga está entre os maiores.

Beijinhos

Bem-hajas!

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA AMIGA, BELA HOMENAGEM AO GRANDE MIGUEL TORGA... QUE TENHAS UMA BOA NOITE, SÃO OS MEUS VOTOS... UM ABRAÇO DE CARINHO E TERTNURA,
FERNANDINHA

O Guardião disse...

Bela homenagem a um grande Homem, um grande Escritor.
Cumps

amigona avó e a neta princesa disse...

O teu/nosso Torga! És tu minha querida! Beijos...

Ana disse...

Uma homenagem bem merecida a um dos nossos grandes, tal como sabes sempre fazer :-)
O poema que escolheste é lindíssimo.

Obrigada pelo prémio que me atribuíste. De ouro é o teu coração.
Um beijinho com amizade.

Vieira Calado disse...

Obrigado pela partilha e recordar esse grande poeta.

Cumprimentos

Goldfinger disse...

Uma boa semana.

Por cá ando

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Fernandinha

Bem-hajas, amiga! As portas desta casa estão abertas.
Desejo-te uma boa semana.

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Guardião

Obrigada! Um homem como há poucos. Faz parte do grupo dos imperdíveis.

Bjs

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Torga foi /é o paradigma do cidadão honesto, livre daqueles que preferem quebrar a torcer.Este serrano está sempre comigo.

Bem-hajas, amiga grande!

Beijinhosss mil

Cata-Vento disse...

Ana, Amiga da Encosta:

Tens sido uma amiga de ouro,indispensável, imperdível de quem muito gosto.

Bem-hajas, amiga da encosta mais bonita que conheço.

Beijinhos mil

Cata-Vento disse...

Zé ( Vieira Calado)

És um amigo. Bem-vindo! Lembras-te do nosso encontro? Esta " caloteira" ainda não te enviou o dinheiro do livro. Talvez siga hoje por transferência como sugeriste.
Beijinhos

Cata-Vento disse...

Gold, my dear friend

Que por aqui andes muito, muito tempo. És imperdível, inesquecível, essencial nestas paragens.

A lot of kisses

ASPÁSIA disse...

AMIGA CREIO QUE NÃO É TARDE PARA TE DIZER QUE AQUI DEIXASTE UMTESTEMUNHO E UMA MEMÓRIA TOTALMENTE MERECIDOS POR ESTE GRANDE PORTUGUÊS.
COMO A MAIORIA DOS NOSSOS GRANDES, VOTADO A UM CERTO ESQUECIMENTO, DE MODO QUE TESTEMUNHOS COMO O TEU NÃO SÃO DE MAIS, SÃO DE MENOS E POR ISSO MAIS VALOR TEM O TEU.
TIVESSE EU OUTRO TEMPO E CIRCUNSTÂNCIAS E TAMB~EM TENTARIA FAZER ALGUMAS HOMENAGENS DESTE TEOR, ALIÁS COMO EM TEMPOS FIZ LÁ NO JARDIM.
MUDAM-SE OS TEMPOS E AS PRIORIDADES DE SA~UDE E FAMILIARES, IMPÔE-SE , NÃO NOS DEIXANDO ESPAÇO PARA TANTA COISA QUE SONÃMOS FAZER.
DESCULPA ESTEAS GRALHASM, MAS HÃ 1 CONFLITO COM O LEITOR ED ECRAN E O APAGAMENTO DE CARACTERES NESTAS CAIXAS DE COMENARIOS, POR ISSO NAO EMENDO.

EM GERAL, COLOCO A LEITURA SONORA DOS TEUS POSTS E TODOS OS COMENTS, POIS ALEM DE APRECIAR MUITOS DOS TEOUS COMENTADORES, APRENDO MUITO SORE TI MESMA COM AS RESPOSTAS QUE AQUI DÁS.

TEM SIDO UM GOSTO E UM AMENIZAR DAS MINHAS PREOCUPAÇÕES, O DIÁLOGO QUE TEMOS TIDO POR MAIL.

E MAIS TE QUERO DEIXAR VOTOS DE QUE A VOSSA LUTA DOS PROFESSORES EM BREVE VEJA FRUTOS MERECIDOS.

BEIJINHO MUITO GRANDE!

BEM-HAJAS!

Cata-Vento disse...

Aspásia ( Nôzita)

É um prazer muito grande receber a tua visita,minha amiga. De vez em quando dedico-me àqueles que sempre mereceram a minha admiração. O texto não é meu, é um trabalho de corte e costura, mas não deixa de ter alguma importância.Não deixao cair no esquecimento, assim o pretendo, aqueles que me marcaram pela sua acção na defesa da Liberdade, da Paz, da Saúde, da Solidariedade Social...
Não te preocupes com a correcção dos erros. Conheço-te, sei da tua cultura, sei que escreves como poucos.
Amiga, os emails irão continuar. À noite, se o sono não me atacar, respondo-te. Amanhã, como sabes, o dia vai ser duro.

Beijinhos mil

De Amor e de Terra disse...

É querida Amiga, esta é a vantagem
de se ser Poeta; pertence-se a toda gente que nos ama, ou melhor que ama a nossa poesia; por isso Torga, me é querido, como a ti e a tantas/os mais.
Também, como ele, amo a terra; às vezes, também como ele, sou granítica.
E como eu gostaria de ser capaz de
escrever o (s) sentimento(s), da maneira como ele, só ele, fazia!...

Beijos

Maria Mamede

Cata-Vento disse...

Torga é de todos nós. É universal e só quem não tem sensibilidade lhe pode ficar indiferente.
A poesia também pão. E a mim alimenta-me o espírito.

Bem-hajas, Maria Mamede, Poeta e Amiga.

Beijinhos