sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Passeio pela Zona Serrana do Concelho de S. Brás de Alportel


   Fotografias Cata-Vento ( Serra do Caldeirão - Concelho de S. Brás de Alportel )

REGRESSO
Regresso às fragas de onde me roubaram.
Ah! Minha serra, minha dura infância!
Como os rijos carvalhos me acenaram,
Mal eu surgi, cansado, na distância!
Cantava cada fonte à sua porta:
O poeta voltou!
Atrás ia ficando a terra morta
Dos versos que o desterro esfarelou.

Depois o céu abriu-se num sorriso,
E eu deitei-me no colo dos penedos
A contar aventuras e segredos
Aos deuses do meu velho paraíso.

Miguel Torga

Meto-me no carro disposta a percorrer a zona serrana do concelho de S. Brás de Alportel nos sentidos Este e Este /Nordeste. Saio do Alportel em direcção ao Barranco do Velho pela Estrada Nacional nº 2 e, aí chegada, tomo a direcção Este e encaminho-me para o Javali. Uma estrada estreita que se faz bem num carro ligeiro pois está alcatroada. Cheira bem. A tarde está a cair, o calor abrandou e sente-se o aroma dos pinheiros, eucaliptos e arbustos serranos. Aqui se fabrica um mel de excelência e produz a melhor cortiça do mundo. Dizem e eu acredito. Nasci aqui, as minhas raízes nunca se soltaram desta terra que me ensinaram a amar e onde sou acarinhada. Passo pelo Javali e caminho em direcção aos Parises. Aqui come-se bom presunto, chouriço caseiro e bebe-se vinho da colheita do agricultor. Mas há outros comeres e beberes. É só uma questão de encomenda. O passeio continua e a paragem seguinte é na Cabeça do Velho. No miradouro, sento-me num dos bancos de xisto e madeira, e observo os montes cobertos de vegetação de onde se destacam os sobreiros, a riqueza destas gentes. Pensei ver a serra mais despovoada mas, segundo me dizem, aos poucos, a população  tem vindo a crescer. São , geralmente, os estrangeiros que optam por estas paragens mas também há muitos portugueses a fazê-lo. Apreciam o silêncio, o isolamento, o ar puro, os passeios pelos trilhos, outrora percorridos pelos agricultores e pastores que aqui viviam.Agora anda-se a cavalo, de bicicleta, de jipe...
Entretanto a noite caiu sem que disso me tivesse apercebido. A paisagem é avassaladora e deixei-me envolver por ela. Regresso pela mesma estrada mas , agora, já não tomo a direcção do Barranco do Velho. Desço a serra pela Cova da Muda, sacio-me na fonte, a brisa que veio com a noite é fresca e chego à Praça da Venda Nova ( Largo do Alportel), satisfeita com a pequena aventura de fim de tarde, acompanhada pelo luar de Agosto, em quarto crescente,o mais brilhante do ano.
 

16 comentários:

pinguim disse...

A última foto é magnífica!!!

Andradarte disse...

Pois eu estava lendo e a cabeça num imaginar de umas férias.....afinal...
tudo isso numa tarde!!!!
Adorei e as fotos são bem rurais.
Lindas paisagens
Beijo

Mar Arável disse...

Tudo muito belo

elvira carvalho disse...

Excelentes fotos. E o texto, um belo poema, feito prosa, ou vice-versa, com a qualidade de quem trata as palavras por amiga.
Um abraço e bom fim de semana

Evanir disse...

Muitas Vezes Deus Tira Alguem Que
Amamos Tanto.
Mais Esse Mesmo Deus Traz Alguem
Que Aprendemos Amar..
Por Isso NÃo Devemos Chorar
Pelo Que Nos Foi Tirado
E Sim ..Aprender A Amar O
QUE Nos Foi Dado ..
Nada Que È Nosso Vai Embora Para Sempre.
A Você Com Muito carinho um
feliz Domingo (DIA DOS PAIS)
Beijos No Coração.
Evanir

Lilá(s) disse...

Sem duvida a paisagem é mesmo avassaladora! fez-me bem este "passeio".
Bjs

aflores disse...

Como já tive oportunidade de dizer, o meu encontro em "primeiríssimo grau" com o "Sr. das Pastilhas" :)))) teve (como entre outras) consequência a perda de algumas memórias.

É com o passar do tempo e ao ser confrontado com algumas situações que a memória "volta"...umas vezes mais forte outras nem por isso.

Mas, ao abrir este post e ao começar a ler, eu disse logo, «Já estivemos aqui!»

Já sim senhor, já estive por essas bandas...também num final de tarde (para evitar o imenso calor), na companhia de um familiar que conhece bem a zona e ainda por cima tem um "jipinho" muito útil em determinados caminhos.

Bebemos boa pinga:) saboreamos bons petiscos, tiramos fotos que os amigos ao verem nem adivinham de onde são, e depois de uma viagem de "descobertas", nada melhor que retemperar forças num restaurante perdido na serra (que só alguns conhecem), para nos deliciar com um menú exclusivamente com carne de caça (que adoro)!

Fantástico!

Querida amiga, estou emocionado e ao mesmo tempo agradecido, pois este teu post deu-me "de volta" mais umas quantas memórias que teimavam em desaparecer do "disco".

Bem haja pela partilha.

Beijinho do amigo agradecido ;)

Tudo de bom.

Ana disse...

Que bom é viajar contigo! Obrigada, Isamar, por nos guiares pelos teus caminhos !
Beijinho , amiga *

tulipa disse...

ADORO ler descrições de viagens, sejam elas de carro, avião, combóio, barco ou trotinete.

Mais ou menos assim
fiz o ano passado em Setembro
mas, para os lados de Tavira e arredores.

Meti-me no carro disposta a percorrer aquela zona.
Fui até Estói, visitar a Pousada que existe no Palácio de Estói e os seus magníficos jardins.

Nasci em Moçambique, mas garanto que cá em Portugal, já conheço muitos mais lugares, que pessoas nascidas em Portugal, nunca viram, porque...sempre que tenho 1 ou 2 dias livres, lá vou eu à procura de novos lugares.

Javali
Parises
Cabeça do Velho
Um dia irei à procura desses lugares que ainda não conheço.

Também eu aprecio o silêncio,
o isolamento,
o ar puro,
os passeios pelos trilhos
Fascina-me encontrar fontes de água fresca pelo caminho.
Também gosto de viajar debaixo do luar, seja quarto crescente ou mesmo lua cheia.
Adorei viajar na tua companhia.
Um beijinho.

Graça Pires disse...

Uma fotos magníficas com um poema magnífico de Miguel Torga. Gostei da reportagem.
Beijos.

gaivota disse...

quase me senti nos açores com estas fotos, verdinhas!
que bom passear TAMBÉM por aqui...
beijinhossssssss milesss

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá, gostei muito das fotografias, como do texto...Espectacular....
Cumprimentos

De Amor e de Terra disse...

Minha querida Isa, bom dia!
Não sou da serra, bem sabes, embora a estas zonas de pequena elevação não se possa chamar planície. Como sabes também, tenho grande amor pelo campo,(como tu querida Amiga)e AMO Miguel Torga e a sua granítica rudeza que afaga o meu coração. Tudo isto para te dizer que, como sempre, AMO também as tuas reportagens, a tua fotografia, o que me/nos dás a conhecer da tua terra.
Parabéns e Bjs. da
M.M.

Idanhense sonhadora disse...

Oh!como eu ouso identificar-me com M.Torga...Também como ele fui roubada à serra...Bela foto,
beijinho
Quina

rouxinol de Bernardim disse...

Poema e fotos a condizer: magníficos! gostei...

Fragmentos Culturais disse...

Bem, depois de longa ausência, pelos lugares amigos por onde vou passando, só tenho deslumbrado meus olhos!

Quanta fotografia linda vi esta noite!

Mas as tuas são particularmente belas e intensas!

E depois, foi bom passear contigo, seguindo-te palavra a palavra, ao mesmo tempo que adentrava o olhar pela paisagem!

Votos de uma excelente semana, querida 'Isamar'!

Um beijo,