sábado, 23 de abril de 2011

Eu Sou Português Aqui



Eu sou português
aqui
em terra e fome talhado
feito de barro e carvão
rasgado pelo vento norte
amante certo da morte
no silêncio da agressão.

Eu sou português
aqui
mas nascido deste lado
do lado de cá da vida
do lado do sofrimento
da miséria repetida
do pé descalço
do vento.

Nasci
deste lado da cidade
nesta margem
no meio da tempestade
durante o reino do medo.
Sempre a apostar na viagem
quando os frutos amargavam
e o luar sabia a azedo.

Eu sou português
aqui
no teatro mentiroso
mas afinal verdadeiro
na finta fácil
no gozo
no sorriso doloroso
no gingar dum marinheiro.

Nasci
deste lado da ternura
do coração esfarrapado
eu sou filho da aventura
da anedota
do acaso
campeão do improviso,
trago as mão sujas do sangue
que empapa a terra que piso.

Eu sou português
aqui
na brilhantina em que embrulho,
do alto da minha esquina
a conversa e a borrasca
eu sou filho do sarilho
do gesto desmesurado
nos cordéis do desenrasca.

Nasci
aqui
no mês de Abril
quando esqueci toda a saudade
e comecei a inventar
em cada gesto
a liberdade.

ainda urgente.

Eu sou português
aqui
o português sem mestre
mas com jeito.
Eu sou português
aqui
e trago o mês de Abril
a voar
dentro do peito.

Nasci
aqui
ao pé do mar
duma garganta magoada no cantar.
Eu sou a festa
inacabada
quase ausente
eu sou a briga
a luta antiga
renovada

José Fanha






Somos Livres

Ontem apenas
fomos a voz sufocada
dum povo a dizer não quero;
fomos os bobos-do-rei
mastigando desespero.

Ontem apenas
fomos o povo a chorar
na sarjeta dos que, à força,
ultrajaram e venderam
esta terra, hoje nossa.

Uma gaivota voava, voava,
assas de vento,
coração de mar.
Como ela, somos livres,
somos livres de voar.

Uma papoila crescia, crescia,
grito vermelho
num campo cualquer.
Como ela somos livres,
somos livres de crescer.

Uma criança dizia, dizia
"quando for grande
não vou combater".
Como ela, somos livres,
somos livres de dizer.

Somos um povo que cerra fileiras,
parte à conquista
do pão e da paz.
Somos livres, somos livres,
não voltaremos atrás.


Ermelinda Duarte

16 comentários:

aflores disse...

Há precisamente 27 anos atrás, tive um dos dias mais felizes da minha vida. Fui Pai pela primeira vez.
Pelo meio das lágrimas de emoção, da alegria, dos abraços e votos de esperança, coloquei o meu filho pela primeira ao meu colo e desejei que ele JAMAIS sofresse o que eu sofri na minha juventude, que sentisse as privações que eu senti e tive,e, acima de tudo, vivesse num País justo e democrático.
Jurei estar sempre do lado dele, ao lado dele e que jamais o abandonaria.

Hoje, mais do que nunca, as minhas palavras e desejos são válidas, e ambos mantemos a esperança que neste País com um ABRIL especial, NÓS gostamos de ser...PORTUGUÊS!

...hoje, esta "veia" exagerou no comentário.

Desculpa querida amiga, é da emoção.

Bem hajas.

Tudo de bom.

(queres uma fatia de bolo?) :):)

Mariazita disse...

Boa tarde,Isa (não sei se devo tratar-te assim...)

Muito obrigada pela visita à minha «CASA» e gentil comentário.

Dei uma olhada rápida a este teu blog, e a primeira impressão foi muito boa. Voltarei com mais tempo.

Por agora... deixo-te...

Minha mensagem de Páscoa:

Permite-me que faça minhas as palavras de Einstein:

"Algumas coisas são explicadas pela ciência, outras pela fé. A Páscoa ou Pessach é mais do que uma data, é mais do que ciência, é mais que fé, Páscoa é amor."

Feliz Páscoa, com muito Amor.
Beijinhos

AtÉ BREVE

isa disse...

Minha querida,li-te com emoção!
Quando estou junto de estrangeiros,
qd vou fora,o meu patriotismo vem
à tona.
Orgulho-me de ser portuguesa,tenho
vaidade na nossa História,na nossa Bandeira e no nosso Hino!
O Poema do meu amigo Fanha é uma maravilha!
A canção e a voz da Ermelinda continua a tocar-me o coração!
O comentário do teu Amigo "aflores" levou-me às lágrimas!
Vês como estou uma sentimental tolinha?
Adorei o post.
Beijo.
isa.

Fátima Pereira Stocker disse...

Cara Isabel

Também eu precisei de recorrer à leitura de muitos poemas, à audição de muitas cantigas e às memória dos meus irmãos na guerra para ultrapassar as últimas declarações de Otelo que conseguiram adensar, ainda mais, a atmosfera de chumbo em que estamos mergulhados. Mas eu sou crente e creio firmemente na ressurreição.

Um grnade abraço e uma Páscoa feliz

pinguim disse...

Por mais que não queiramos, as declarações recentes de Otelo, marcam o 25 de Abril deste ano, pondo em dúvida se essa data memorável, teve alguns participantes à sua altura...

Ana disse...

Os poemas, as imagens e os sons dessa data permanecem vivos em mim.
Obrigada por os trazeres aqui!

Boa Páscoa, Isamar!
Um beijinho com amizade *

...Gostei que gostasses do meu post na Encosta. Captaste a intenção que lhe queria dar :-)

Lilá(s) disse...

Os poemas permanecem vivos em nós.
Beijinhos

O Guardião disse...

A Liberdade conquista-se e pode perder-se se nos distrairmos.
Boa Páscoa
Cumps

AC disse...

assim haja esperança, assim haja convicção!

Beijo :)

AFRICA EM POESIA disse...

Pascoa Feliz
gostei do que li é a realidade abril é sempre Esperança...


Beijinhos

Graça Pires disse...

Dois poemas que nos recordam que somos portugueses e que devemos lutar pela nossa independência e liberdade.
Um beijo.

gaivota disse...

a saudade do que deixou de ser verdade!
mas sou portuguesa AQUI e AÍ também, sempre, nas palavras de quem também sonhou e acreditou num 25 de abril cheio de cravos
beijinhosssssssssssss milesssssssssssss

BRANCAMAR disse...

Minha querida Isabel,

Poemas emocionantes que nos trazes.
Hoje não durmo, como se esta fosse de novo a primeira das madrugadas de Abril.
Desde esse dia primeiro nunca Abril esteve tão vivo e tão urgente quanto hoje.
Contudo nada é como dantes, há conquistas que nunca se perderam, a liberdade, o fim da guerra colonial, o regresso dos exilados e a libertação dos presos políticos são lembranças que jamais se apagam.
E é nessa força de um país novo que hoje lutamos ao lado dos nossos filhos contra novas formas de escravatura.

Trago-te beijos com o perfume dos cravos de Abril.

Tua amiga
Branca

Parapeito disse...

eu sou Portugues aqui...ali... em todo o lado com muito Orgulho.
Eu Acredito em Abril...em Maio...Acredito que somos um povo de marinheiros e que navegar é preciso.
brisas doces*****

Andradarte disse...

Neste Blog, respira-se 'ABRIL'.
Adorei
Beijo

Idanhense sonhadora disse...

Tantas recordações ,tantos sonhos...
Ser português ,gostar de ser português . sempre tal como ABRIL
Quina

Bem-haja pelos votos de boa Páscoa e , atrasada , retribuo .Na Beira o tempo parece voar...