terça-feira, 1 de março de 2011

O Castelo de Paderne




Localiza-se na freguesia de mesmo nome, no Concelho de Albufeira, no Distrito de Faro, a poucos quilómetros do mar.
Foi construído em posição dominante sobre a ribeira de Quarteira, dois quilómetros a Sul da aldeia com o seu nome e é um dos sete castelos representados na bandeira de Portugal .As suas ruínas, de cor avermelhada, constituem um dos exemplares mais significativos da arquitectura militar muçulmana na Península Ibérica. Construção de taipa ( barro misturado com pequenas pedras, canas, bocados de madeira,muito utilizado nas pequenas habitações do Alentejo e Algarve) feita pelos Almoádas , seita político-religiosa que dominou Marrocos no século XII, durante a última fase da ocupação muçulmana da Península Ibérica, controlando a antiga estrada romana que cruzava a ribeira de Quarteira por uma ponte localizada a sudeste. Neste período, o progresso da Reconquista cristã obrigou à edificação de uma linha defensiva integrada por fortificações de porte médio na região, das quais esta é um dos melhores exemplos.
A referência mais antiga sobre o castelo remonta a 1189, quando foi conquistado através de um assalto nocturno pelas forças de D. Sancho I (1185-1211), com o auxílio de uma esquadra de cruzados ingleses. Esse domínio, entretanto, foi efémero, uma vez que, logo em 1191, foi recuperado pelas forças Almóadas sob o comando do califa Abu Yusuf Ya'qub al-Mansur.
A sua integração definitiva no reino de Portugal só viria a dar-se no reinado de D. Afonso III(1248-1279) com a conquista pelo Mestre da Ordem de Santiago, D. Paio Peres Correia, em 1248, iniciando-se o repovoamento da região.
No reinado seguinte, de D. Dinis (1279-1325), os domínios da vila e seu castelo, bem como o padroado da sua igreja, foram doados pelo soberano à Ordem de Avis, na pessoa de seu Mestre, D. Lourenço Anes. Não se registam, entretanto, no período, obras de recuperação no castelo mas tão somente algumas construções no seu interior, como a edificação da primitiva capela, atualmente em ruínas.
Com os Descobrimentos , as preocupações estratégicas e económicas concentram-se nas costas do reino, perdendo Paderne a sua importância e a sua função defensiva. Abandonado a partir do século XVI, quando a povoação se transferiu para o actual sítio, caiu progressivamente em ruínas nos séculos seguintes. O processo foi agravado com os estragos causados pelo terramoto de 1755 na estrutura, em particular na sua torre de menagem, segundo está registado pelas Memórias Paroquiais, em 1758.
As ruínas do castelo, constituídas por alguns troços de muralhas, a torre albarrã e as paredes da capela no seu interior, no qual se abria uma cisterna, entulhada, foram classificadas como Imóvel de Interesse Público por Decreto publicado em 22 de Novembro de 1971.
O imóvel foi adquirido pelo Ministério da Cultura, através do IPPAR, em Setembro de 1997. A partir de então, este órgão (Direcção Regional de Faro), iniciou-lhe trabalhos de prospecção arqueológica no âmbito de um projecto de recuperação e valorização museológica.
O castelo apresenta planta de formato quadrangular irregular,ocupando uma área de cerca de 1.000 m².
Se vier ao Algarve, não deixe de lhe fazer uma visita.



Torre albarrã (do árabe "al-barran"), em arquitectura militar, é a torre saliente num castelo ou num troço de muralha à qual se liga, em geral, por um passadiço.
Esta construção foi introduzida pelos Almóadas, com a primitiva função de constituir uma atalaia e de reforçar a defesa da muralha. Junto aos portões de entrada, dificultava o trabalho dos engenhos atacantes como, por exemplo, o dos aríetes.

Barbacã é um muro anteposto às muralhas, de menor altura do que estas, com a função de defesa do fosso de uma fortificação, onde era oferecida a primeira resistência ao agressor.

( extraído do Google - texto e imagens)




14 comentários:

pinguim disse...

Obrigado pela partilha.

Isa disse...

Não conheço,mas fico curiosa!
Gostei muito.
Beijo.
isa.

Idanhense sonhadora disse...

Cata-vento , gostei desta lição e história do reino dos Algarves . Este , é para mim , o verdadeiro Algarve de que pouca gente se lembra .. .
Bem-haja pela aula , aprendi umas coisas e , isso é muito bom!
Um abraço beirão
Quina

aflores disse...

Feito cavaleiro andante;) aqui vim repousar neste castelo, tão bem partilhado por um Cata-Vento, que nos vai indicando o caminho.

Repouso após "árduas" batalhas, gastronómicas, que serviram de comemoração por mais um aniversário:)

E é bom...é bom estar e passar por aqui.

Tudo de bom!

Fátima Pereira Stocker disse...

Cara Isabel

O que sobra do castelo consegue, ainda, dar-nos conta da sua magnífica arquitectura. Gostei de ler.

Um abraço

De Amor e de Terra disse...

Minha querida Isa, quanta saudade!!!
Obrigada pela visita lá em casa.
Fiquei feliz!
E é bom visitar-te outra vez.
A certa altura do caminho perdi-me de muita gente de quem gosto.
Obrigada também prelo reencontro.
Bjs.
M.M.

Ana disse...

Aprendendo contigo e com as tuas magníficas imagens ! Obrigada!
Um beijinho *

O Guardião disse...

Divulgar o nosso Património e valorizar o que temos é importante para que os responsáveis se sintam mais responsáveis pela sua conservação.
Cumps

Lilá(s) disse...

Conheço-o bem, por isso senti mais afinidade com esta bela lição de história. Sempre que passo férias no Algarve ocupo o tempo disponivél para visitar os recantos pouco falados.
Beijinhos

DE-PROPOSITO disse...

Um pouco de HISTÓRIA! E vamos sempre aprendendo.
-------
Que a felicidade ande por aí.
Manuel

tecas disse...

Olá, boa tarde! Cheguei ao seu blog por um blog de um amigo.
Conheço o Algarve e não conhecia a história do « Castelo de Paderne».
Bem haja pela partilha.
Adorei o que vi por aqui.
Interessante blog.
Bjito amigo

helia disse...

Não conheço o Castelo , mas fiquei com curiosidade e numa próxima visita a esta região vou tentar conheçê-lo. Obrigada pela partilha.

AC disse...

Uma bela lição de história. Recordo a explicação sobre a taipa, um material muito utilizado pelos árabes na construção, o conceito de barbacã, de torre albarrã, e por aí fora...
De regresso à blogosfera, não podia deixar de passar por aqui. Obrigado pelas palavras amáveis e encorajadoras.

beijo :)

aflores disse...

Por aqui continua este Castelo de Paderne. Por aqui passei, reli e deixei os votos de bom fim de semana.

Tudo de bom.

;):)