domingo, 25 de janeiro de 2009


O Orçamento do Estado é um instrumento de gestão que contém a previsão das receitas e despesas públicas, apresentado pelo Governo à Assembleia da República, sob a forma de Proposta de Lei, até 15 de Outubro de cada ano. Este foi o último desta legislatura! Foi publicado no Diário da República no fim de Dezembro de 2008 e o Presidente da República promulgou as contas do Governo, aprovadas no Parlamento , apenas com os votos favoráveis do Partido Socialista graças à maioria conseguida nas últimas legislativas. A Oposição achou-o um orçamento irrealista que não responde aos problemas que o país atravessa e vai continuar a atravessar devido à crise há muito instalada.Embora eu perceba muito pouco de economia, política e gestão, sinto que algo vai mal. Muito mal! Três meses depois do Orçamento Geral do Estado para 2009 ter dado entrada na Assembleia da República, o Governo apresentou um novo orçamento tendo em conta os recentes desenvolvimentos económicos a nível mundial. Teixeira dos Santos , segundo li na imprensa, admite mesmo que o agravamento da crise internacional poderá vir a justificar futuras revisões do Instrumento de Gestão do País assim como a implementação de novas medidas . Segundo advertiu “Nada nos garante que os desenvolvimentos externos não nos obriguem a olhar para estas matérias e a revê-las”. Ora eu, que nada percebo disto,repito, e penso mesmo que se enveredo por estas questões é por dever de cidadania, por ser uma contribuinte com impostos em dia, por pensar ser um direito meu exigir que me seja explicada com clareza a situação económica em que o meu país se encontra e quais as medidas tomadas e a tomar de forma a que o combate à crise nos poupe danos terríveis, deparo-me com um cenário que prevê uma contracção do PIB de 0,8 % para este ano, uma taxa de desemprego que poderá subir até aos 8,5 %, uma inflação na ordem de 1,2 % e o déficit deverá chegar aos 3,9 % do PIB. A dívida pública também deverá aumentar para os 69,7 % do PIB. Ora compare-se ! O Orçamento do Estado apresentado em Outubro de 2008, previa um crescimento económico na ordem dos 0,6 %, desemprego na casa dos 7,6 %, de inflação nos 2,5 % e de déficit de 2,2 por % do PIB.


Ontem li na imprensa :"Teixeira dos Santos diz :Não há GPS para a crise, temos de nos guiar pelas estrelas, o problema são as nuvens .
Fazer política em condições de normalidade é como navegar com GPS mas esta crise não vem nos livros, defendeu Teixeira dos Santos, na lição que apresentou ontem em Faro, durante a abertura do II curso da Universidade Meridional. Para o Ministro das Finanças, esta situação é inteiramente nova e é um desafio para todos e não há GPS para esta situação".


Ora eu, que o único orçamento que até hoje tive oportunidade de gerir foi o meu, sempre soube que as crises não vêm nos livros da astrologia e também não constam nos manuais de astronomia mas compete-me, sem GPS, como sempre fiz até aqui, preparar-me para os maus tempos que vêm com ou sem aviso. Há muito que na Europa se dizia que vinham tempos maus, difíceis de debelar, há muito tempo que os ventos nos traziam más notícias de todos os quadrantes e só agora os nossos governantes se aperceberam disso? Precisávamos de outros avisos que não os das contas ? E a observação do mundo, abaixo das nuvens não deveria ter sido alvo de atenção cuidada? Onde está o saber de experiência adquirido em oito séculos de História ? A discordância absoluta da Oposição nesta e noutras situações não tem conseguido fazer recuar a política do governo, facto que lamento, e temo agora que não tenhamos nau para tão grande tormenta.




Fontes: imprensa semanal ( on line)/ imagem com texto, cedida por J.P. Sineiro. Obrigada, Jorge!

71 comentários:

Isa disse...

Bom Dia. Tal como tu,Amiga, há muito que estou ao comando da minha nau.Sem GPS,mas com muita "cabecinha".Ñ sei como se irá sair.Ñ sei até onde nos conduzem!
Na Literatura,na Análise literária gosto de Metáforas.Na política?
NÂO!
Beijoo.
isa.

Jorge P.G disse...

O Governo faz um orçamento novo de cada vez que vê que o anterior derrapa. Assim, os orçamentos são sempre infalíveis!

Sem GPS anda o executivo, e bem precisava de um dos bons!

Um abraço.

Isa disse...

Obrigada,quida.Sou ternurenta,sim.
Mas uma ternurenta mto preocupada.
Acredita q. ñ estou a pensar nos Netos "da gente".Estou a pensar nos Filhos "da gente"...
E dói...
Beijoo.
isa.

heretico disse...

para esse peditório,não dou...

os "pobres que paguem a crise"... rss

abraços

Cata-Vento disse...

Isa

Que a nossa nau navegue contra ventos e marés. As timoneiras têm coragem para o fazer.
De metáforas fora da Literatura também não gosto.

Beijinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Jorge P.G.

Desconhecia esta possibilidade. Pensava que o Orçamento de Estado era feito com rigor prevendo derrapagens que , neste caso, não eram, de todo, inesperadas.

Um abraço

Cata-Vento disse...

Isa

A ternura que te caracteriza vem aliada à responsabilidade. Nota-se!

Bem-hajas, Amiga!

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Heretico

Também só darei para este peditório aquilo que for obrigada.

Beijinhos

Iscte 72-77 disse...

Pois eu acho que o Orçamento de Estado é uma figura de retórica com 0% de aderência à realidade...

pinguim disse...

Esta situação económica mundial é tremenda e quem poderia adivinhar que grandes potências económicas entrassem em depressão?
Nós que somos pequenos em tudo, somos super dependentes dessas nações e claro vamos pelo mesmo caminho; penso que qualquer governo de um país dependente como o nosso tenha, infelizmente que rever periódicamente e em baixa, as suas previsões orçamentais.
Lamento que os partidos da oposição, numa situação de excepção como esta, não tomem iniciativas de conjugar esforços com o governo para tomar as melhores resoluções; mas estamos em ano de eleições e o que interessa não é o país, é o partido, seja ele qual for.
Também discordo de metáforas pseudo modernistas e/ou fantasiosas, como aquelas que o M.das Finanças tem usado. Dizer a verdade sem rodear a verdade é mais bonito, Sr. Ministro.
Beijinhos.

pinguim disse...

Perdão. No comentário anterior queria dizer "recessão" e não "depressão"...longe vá o agouro...

Goldfinger disse...

Querida Cata Vento

Os rectificativos aos orçamentos até são situações normais, quer a nível regional, quer nacional.
Quanto se faz um orçamento, acredita-se que as contas estão feitas e são rigorosas. A verdade é que existem muitos factores que influenciam o rigor desses orçamentos. São factores externos de variadíssimas variantes, porque as despesas com o Estado ou com uma Câmara ou Freguesia sofrem alterações que ninguém tem a certeza absoluta de poder controlar.
Lamento não estar totalmente de acordo contigo, e provavelmente com a maioria dos comentadores, mas posso afirmar-te isto de fonte segura.
Agora, um dos factores que pode influenciar negativamente um orçamento, é o facto de quem governa, quem está ao leme da nau, gastar sem racionalidade, e a oposição, que até gosta desses deslizes para saltar em cima de quem está no poleiro, não cumpre as suas obrigações, fiscalizando. É este jogo de interesses que na maioria dos casos, deita qualquer autarquia abaixo ou pelo menos vai desgastando a imagem de quem está no poder.
Infelizmente não é porque as oposições tenham varinhas mágicas e soluções, até porque a maioria já por lá passou e fez os mesmos erros ou talvez piores, é apenas porque estão ávidas de poder e querem a qualquer preço substituir-se ao governo nas próximas eleições.
Este é o espelho do país em que vivemos, mas penso que é como acontece em todos os outros países.
Claro que numa altura em que os problemas económicos são mundiais, e as grandes potências estão seriamente em crise, os países mais pequenos e dependentes dessas grandes potencias têm de sentir forçosamente os seus orçamentos gravemente afectados.
Esta rectificação não me espanta nem me preocupa, preocupa-me muito mais as medidas que o governo tem vindo a tomar (nem todas boas na minha opinião) e o gritante aumento do endividamento das famílias portuguesas. E sem se chamar à responsabilidade quem foi responsável por essa situação, pois andaram anos a oferecer dinheiro sem qualquer restrição, enchendo os seus cofres e aumentando os lucros, mas provocando a actual situação. Refiro-me à Banca claro e fico perplexo quando assisto aos Bancos portugueses a recorrerem ao Fundo que o Estado disponibilizou para lhes dar garantias e estabilidade.
Então não foram sempre os Bancos, das poucas empresas, estatais ou privadas, a apresentar lucros fabulosos no fim de cada ano? Então onde param esses lucros? Foram distribuídos pelos accionistas? Foram mal aplicados?
Desculpa-me esta prosa tamanha, mas tinha de deixar aqui muito do que sinto e teria muito mais para dizer, só que a hora é tardia e não tenho o direito de estar a maçar quem te visita com os meus comentários, a minha opinião que pode ser controversa, mas é a minha.

Tem uma boa semana.
Beijinhos

GOLDFINGER

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Chega o vento assobiando
fazendo riscos imaginários
como ondas no céu soprando sobre folhas ,
flores, vidas chega a brisa manhã
canta suaves carinhos
envolve numa doce,
fresca brincadeira
lembranças num rastro
manso luz vento , brisa,
vida tocam rios janelas
todas as casas calçadas
soprando sorrisos
lembrando todos os caminhos
colorindo como se fosse carrossel
verdadeiros roda moinhos
deixando correr a vida
como fosse melodia...
(Maria Thereza Neves)

Tenha uma linda semana
Abraços

Cata-Vento disse...

Iscte 72-77

Partilho da tua opinião. Este e muitos outros assim foram mas, neste momento, a gravidade é maior.

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Pinguim

Desta vez, o Orçamento foi criticado por todos pelo seu irrealismo. Não se pode dourar a pílula em tempos tão maus como os que estamos e vamos viver. A recessão é perigosíssima.

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Migo

Eu sei que os rectificativos são normais mas neste momento a crise está aí e as previsões, pareceram-me mais douradas do que podiam e deviam ser. Depois, toda a oposição unida, insatisfeita, para além do que possa considerar-se oportunismo político tem de ter, obviamente, outra leitura.
Podes discordar da minha opinião e até gosto de ouvir vozes discordantes de conhecedores da matéria como tu.
Quanto aos comentários não te importes que sejam longos. Eu gosto de te ler mas há mais por aqui.

Jinhos mil

Bem-hajas, " Sean Connery"!

Boa semana!

Cata-Vento disse...

Uma Página para Dois

Uma boa semana para ti também, amigo.

Bem-hajas!

Cadinho RoCo disse...

Se aí está assim, cá no Brasil o Presidente Lula, em afirmação histórica, diante da crise reagiu dizendo não passar tudo de uma "marola". E não parou por aí. Desafiou a geografia e disse estar o Brasil a salvo da crise mundial porque ela não atravessaria o oceano. Deixo pois a concusão ao seu dispor, de como estamos, aí e aqui, de governantes.
Cadinho RoCo

Pena disse...

Estimada Amiga:
Realmente, a crise que se vive em toda a Europa não foi capaz de nos avisar para sobrevivermos em atitudes e gestos de um governp descrente, maioritário, que vai ser posto à prova nas próximas eleições.
Um Post acual, pertinente e de salvaguarda dos nossos interesses.
"...Há muito que na Europa se dizia que vinham tempos maus, difíceis de debelar, há muito tempo que os ventos nos traziam más notícias de todos os quadrantes e só agora os nossos governantes se aperceberam disso? Precisávamos de outros avisos que não os das contas ? E a observação do mundo, abaixo das nuvens não deveria ter sido alvo da nossa atenção cuidada? Onde está o saber de experiência adquirido em oito séculos de História ? A discordância absoluta da Oposição nesta e noutras situações não têm conseguido fazer recuar a política do governo, facto que lamento, temo agora que não tenhamos nau para tão grande tormenta..."

Perfeito sentimento e questionar sensato e lúcido. Veremos. A palavra é dos portugueses.
Beijinhos de imenso respeito e estima.
Com amizade e admiração.

pena

OBRIGADO pela simpática visita.
Bem-Haja!

Cata-Vento disse...

Cadinho Roco

Mas o Brasil não está em crise? E que dizer das grandes assimetrias sociais e económicas que aí existem?
Depois, quanto à crise, creio que ela terá nascido um pouco a Norte do Brasil, aí nesse continente.
Esperamos que Obama consiga endireitar a tormenta.

Bem-hajas!

Um abraço

avelaneiraflorida disse...

Cata-vento,

mais do que as palavras (que muito se dizem ...mas pouco efeito produzem) o traço caricatural faz salientar os "malefícios"da sociedade "feita" pelo homem!!!!!
Tenho saudades de boas e fortes caricaturas!!!!!

Bjkas!!!

Cata-Vento disse...

Pena

A crise fez-se anunciar com antecedência. Penso que, seja qual for o governo, nestas situações, tem de tomar medidas atempadas para atenuar os seus efeitos. Então a História não nos serve de comparação? Não vivemos a crise de 1929, é certo, mas não ouvimos falar dela? Não lhes conhecemos as razões? Não lhes conhecemos os efeitos?

Bem-hajas, amigo!

A palavra é dos Portugueses!

Cata-Vento disse...

Avelaneira Florida

Para onde caminhamos se o discurso não for acompanhado das acções subjacentes?
Também sinto falta dessas boas caricaturas de outros séculos. Mas ainda as há boas!

Beijinhos

Bem-hajas!

gaivota disse...

oh portugal, portugal...
às contas com a vida ou a vidas com as contas...
sei lá! cada um com as suas, mas nas nossas políticas, os "nossos patrões" nem com gps se orientam...
as curvas não estão bem asinaçadas, daí qeu se entra em derrapagens sem retorno...
beijinhossssssssss grandesssss
(algumas preocupações de outras ordens que me ocupam bastante tempo, daí andar por fora...)

Cata-Vento disse...

Gaivotinha

Percebi, miga! Quanto às derrapagens , podem ser inevitáveis, efeitos de uma globalização que pode ter aspectos positivos mas também os tem negativos. No entanto, outros meios mais artesanais têm de permanecer ao alcance da mão do homem. Os tecnológicos, às vezes, falham.
Beijinhosssssss mil
Força, mulher do mar!

Mariazita disse...

Um bom estadista sabe adivinhar as tempestades sem sequer comsultar os astros.
Também se pode enganar - é humano...- não pode é abusar (e não o faz) dos erros.
Mas...cadê eles???
Sumiram!

Beijinhos
Mariazita

Cata-Vento disse...

Mariazita

É verdade, Mariazita! A espécie está em extinção. Será? Quero ter esperança!

Beijinhos

elvira carvalho disse...

Amiga, há muito que se anunciava a crise. Para ser mais precisa, Portugal anda em crise desde os últimos tempos da monarquia. A crise não chegou agora já é velha.
De vez em quando qual vedeta de cinema faz uma plástica e ainda irreconhecível durante uns tempos, dando a ilusão de que desapareceu. Agora está chegando a um ponto que já nenhum cirurgião lhe põe as mãos.
Espero que esteja bem.
Um abraço e uma boa semana

Cata-Vento disse...

Elvira

Amiga, a crise tem muitos séculos. É velha, muito velha.
Espero e desejo que o teu pai continue a melhorar.

Beijoquinhas

Bem-hajas!

O Guardião disse...

Há exercícios orçamentais que são sempre possíveis e margens de manobra que se respeitam, o que não se pode é querer fazer crer em miragens, coisas impossíveis, ou mentiras. Penso que dá bem para perceber do que é que falo e de quem falo.
Cumps

Cata-Vento disse...

Guardião

Não se pode dourar a pílula por mais tempo. Os tempos de recessão estão a chegar.

Um abraço

Bem-hajas!

o escriba disse...

Cata-Vento

As crises são sempre pagas em pesadas facturas por aqueles que têm baixos rendimentos. Pouco percebo de conjunturas económicas, mas o que sei é que já se falava de crise , e as intervenções dos governantes pautavam-se por tiradas de grande crescimento económico, acompanhadas de "exemplos gratificantes" a seguir.

bjinhos
Esperança

Filoxera disse...

Ihhhh! Nem posso já com este tema...
Beijos.

ASPÁSIA disse...

ISABELITA CATITA-VENTO!

POIS É AMIGA, APROVEITASTE BEM O BONECO DO NOSSO SINEIRO, PARA DISSERTAR SOBRE ESTE INGRATO TEMA!
INFELIZMENTE, SOU PESSIMISTA E ESTOU EM FORTES DÚVIDAS DE QUE AS COISAS VENHAM A MELHORAR MUITO.
SUCEDEM-SE OS ANOS E OS GOVERNOS E DESDE QUE ME ENTENDO, QUE OUÇO QUE ESTE PAÍS VAI MAL!

BEIJINHOS! ESSES PELO MENOS AINDA NÃO PAGAM IRS....

Jorge P.G disse...

Então? Afinal, a imagem consegue ler-se perfeitamente!

Um abraço e um bom dia de labuta.

Cata-Vento disse...

Escriba

Também percebo pouco de economia. Sinto, no entanto, como tu,o peso da factura. E cada vez é maior. E a pílula vai perdendo o brilho.

Bjinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Filoxera

Infelizmente, amiga, este tem sido o pão nosso de cada dia.

Beijinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Aspásia
Eu dissertei sobre o assunto, o Jorge tinha-me arranjado, a meu pedido, outro boneco, sem conhecer o post, depois gostei mais deste e fui "caçá-lo".
Amiga, concordo contigo. A crise é velha. Velhíssima! No entanto, agora, está gravemente doente. Mas não era preciso GPS para perceber que ela estava a piorar de dia para dia. Sentia-se!

Beijitos, Nôzita Linda!

Cata-Vento disse...

Jorge

A imagem lê-se perfeitamente, é a mais adequada, está excelente, mas devido às dimensões limitadas do blogger, não tem o impacto da que tens lá no Sino.Mas era mesmo a imagem que eu precisava.
Obrigada, Joca!

Irei "roubar" mais!

Um abraço! Tem um bom dia!

Goldfinger disse...

Sabel

Não sei que te diga. Andamos em crise realmente, mas eu até acho que o andamos desde os tempos em que o D. Afonso Henriques resolveu libertar-se do jugo da mãe.
E temos andado sempre num faz de conta que, mais para a esquerda, mais para a direita, a coisa ia-se compondo. Só que agora as coisas complicaram-se a nível mundial e a "torneirinha" já fechou ou está a fechar e não há GPS que nos valha.
Aliás, mesmo tendo começado a existir GPS, a governação tem sido sempre de "navegação à vista" com os resultados que se adivinham e todos são culpados.
Nestas alturas de "aperto" é vê-los a aparecer em bicos de pés, quais D. Sebastiões, com as críticas e insultos do costume. Até parece que sabem como resolver o problema e andam no dia a dia com as soluções no bolso.
Temos vivido sempre tirando onde faz falta e pondo onde faz vista, e costumo dizer que cada povo tem o governo que merece.
Infelizmente.

Um beijinho e um xi-coração bem forte

GOLDFINGER

gaivota disse...

forças, forças de mar!,hei-de ter, minha amiga, hei-de ter...
vim ver esse "cavalheiro a trabalhar" para o povo...
que contas andará ele a magicar!
boa semana para ti
beijinhosssssssssssssss
bem-hajas, amiga linda

lagartinha disse...

Só me ocorre uma frase: "A Oeste, nada de novo!"
Nasci numa casa em que não sendo ricos, tínhamos mais do que os nossos amigos. Os meus Pais tinham uma fábrica de malas de senhora, davam emprego a muita gente, costureiras, que levavam as filhas adolescentes para aprenderem o ofício. As minhas férias, eram passadas na fábrica a ajudar. Quando as pessoas deixaram de ter poder de compra para um artigo que de facto era um luxo, o meu Pai não despediu ninguém. Apenas mudou de ramo e levou todos os que quiseram ir com ele, iniciando também uma nova profissão. Tinha sido muito mais fácil fazer como se faz agora e "fechar a loja". Mas olhar para pessoas que se conhece uma vida inteira e dizer: "vai lá à tua vidinha, safa-te como puderes" foi coisa que o meu Pai não conseguiu fazer e por isso, muitos dos seus antigos operários mantiveram um posto de trabalho e com ele continuam ainda hoje. Cresceram lá e conheço-os desde sempre.

No meu entender, faltam mais empresas assim, que lutam desesperadamente para que não lhes falte o dinheiro para pagar os salários, atrasando muitas vezes compromissos de pagamentos de impostos, fornecedores, etc...depois, são considerados vigaristas porque devem ao fisco...só que com esses , pode sempre negociar-se a dívida, pagar em prestações, mas no que toca aos salários, o dinheirinho é preciso a todos para pagar tecto e comida.

Quando ouço falar em empresas de sucesso que são assim conotadas devido aos lucros avultados que atingem num determinado espaço de tempo, até me ferve o sangue nas veias, porque Empresas de sucesso, são aquelas que embora sem ganharem muito, conseguem manter os seus funcionários com os ordenados em dia, pouco mas certo, que permite que as pessoas possam pagar a renda, comprar comida, sem ter que andar a pedir emprestado ou à conta de subsídios...

Estes palermas que nos desgovernam, injectam dinheiro nos bancos, oferecem computadores, mas não vejo por exemplo nenhum deles a comprar produtos nacionais, couvinhas da horta do Ti Manel...não, é bom é arranjar um cantinho para grandes empresas estrangeiras se instalarem cá, pois vão dar muitos postos de trabalho...pois...durante uns tempitos...
Grande crise, não é?
Bejocas

Cata-Vento disse...

Querido Gold

A crise é velha. Muito, muito velha. Talvez desde esse tempo remoto da Batalha de S. Mamede mas a que nós estamos a viver é a que estamos a sentir e tenho pena de estar metida neste filme. Assusta-me!

Jinhos mil,miguito.

Cata-Vento disse...

Gaivota

Andará a deitar contas à vida? Hummmm!!! Sem GPS assusta-me. Não há satélite que nos valha!

Beijinhossssss millll

Forças de mar!

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Lagartinha

Amiga linda, bem-hajas! Subscrevo o teu comentário por inteiro. Na minha família, passou-se algo muito parecido. O pai nunca teve grande fortuna mas os seus trabalhadores nem um més deixaram de levar o dinheiro para casa. E tenho tanto orgulho nisso!
Outros tempos! Outros ventos!

Bem-hajas!

Mil beijinhos

jo ra tone disse...

Vamos tendo esperança de que a crise chegue ao fim, e que seja o cabo das tormentas para todo o mundo.
Bjo

Filoxera disse...

Olá, Cata-Vento.
Logo à noite sairá no EQ um post com uma distinção para ti.
Beijos.

Cata-Vento disse...

Jo ra tone
A crise terá fim embora eu possa não assistir à dobragem do Cabo das Tormentas. Que tudo acabe em bem!

Mil beijinhos

Cata-Vento disse...

Filoxera

Obrigada, amiga!

Estarei atenta.

Bem-hajas!

Mil beijinhos

o escriba disse...

Cata-Vento

Tem um presentinho para si lá no meu soma. É um Dardos.

bjinhos
Esperança

Pico minha ilha disse...

Só passado para ver se estava bem.Beijinhos

Cata-Vento disse...

Escriba, Amiga!

Já passarei para recolher o teu presentinho que me deixa muito feliz.

Bjinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Pico Minha Ilha

Bem-hajas, amiga! Tenho andado um pouco ausente. Desculpa!

Beijinhos

Pipinha disse...

Querida Amiga,
Para mim, é muito importante estar sempre rodeada das pessoas que gosto e mais ainda no dia em que comemoro a minha chegada ao mundo!
Conto consigo amanhã no meu cantinho para juntas tocarmos as taças de champanhe num "tchim-tchim" alegre e para comer uma fatia do meu bolo de aniversário!
Fico à sua espera!
Depois da festa virei com muito gosto apreciar o seu post!
Beijinhos carinhosos e abraço meiguinho.

Ana disse...

Às contas com o que a vida nos traz, andamos todos, mesmo não percebendo de economia ou de gestão.
Talvez não sejam apenas estas matérias que é necessário rever... em breve.
Um beijo, amiga.

Cata-Vento disse...

Pipinha Querida

Lá irei amiga. Com todo o gosto. O dia vai ser longo. Muito longo mas lá passarei.

Mil beijinhos

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Ana

Amiga, o que o futuro nos reserva a Deus pertence mas os augúrios não são bons. Assustam-me!

Beijinhos mil

Bem-hajas!

gaivota disse...

olá minha amiga, tens uma prendinha/desafio lá no meu cantinho...aparece!beijinhossssssssss

Zé Povinho disse...

Não desdenho do uso do GPS, mas sou um bom Topógrafo e também aprendi a guiar-me pelas estrelas. Dito isto fica-me uma questão de alguém que não percebe patavina de economia e finanças: o dinheiro, o seu valor e a sua quantidade não são determinados pelas autoridades monetárias e políticas, as mesmas que andam à procura de uma solução para a crise? Porque é que não encontram uma saída?
Podem crer que sou um simples, mas simplista não costumo ser, excepto em matérias destas.
Abraço do Zé

vida de vidro disse...

Pois é, sem GPS e com políticos tão desorientados, vamos lá ver como nos safamos. Não vai ser fácil, não. **

Papoila disse...

Querida Amiga:
Esta crise já anunciava há tempos e por isso outros cobardemente se puseram a andar para outros ares quer dum lado quer do outro... Esta saída do senhor ministro das finan~ças foi das mais infelizes que já ouvi na minha vida... Ainda uso mapas para me orientar... mas para quem afirmava em Novembro que tudo ia bem nas finanças da Lusitânia vor afirmar em Janeito que afinal está em recessão económica só tem uma explicação, Deus não foi parco com o senhor Ministro quando distribuiu o dom da estupidez...
Beijos

Cata-Vento disse...

Gaivotinha

Já fui ao teu blogue, amiga. Agradeço a prendinha e em breve irei exibi-la no meu blogue com muito gosto.

Mil beijinhosssss

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Zé Povinho

E assim continua o mundo à mercê de quem o governa ou desgoverna.
Só sei que isto não me agrada nada!

Um abraço

Cata-Vento disse...

Vida de Vidro

Não vai ser fácil e que paga a crise é o Zé.

Bem-hajas!

Beijinhos

Cata-Vento disse...

Papoila

Pois também achei que não estava a ouvir bem quando se dizia que o nosso poder de compra até ia aumentar. Agora vem a recessão, os despedimentos sucedem-se porque as tais compras faltam e não há escoamento das produções, os problemas sociais agudizam-se e a dimensão do que por aí virá não se sabe.
Não há GPS que sirva!

Bem-hajas!

Beijinhos

Isa disse...

Já há foto da Maria.Tenho o Sebastião a dormir. Vim aqui de fugida.
Beijo.
isa.

gaivota disse...

minha querida serrana e apaixonada do mar!!! uma notícia fresquinhaaaaaaaaaaaaaaaa, em primeira mão...
entrei na 5ª edição de "avó"!!!
estamos todos contentes e a esperar pelo fim do verão....
beijinhossssssssssssssssssssss

Jorge P.G disse...

PARABÉNS À GAIVOTA, se me é permitido fazê-lo aqui!

Um abraço.

Cata-Vento disse...

Isa

Já lá fui, amiga! A Maria está uma fofura. Que menina linda!
O Sebastião também é muito bonito e simpático. Como a avó!

Beijinhosssss mil

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Gaivota

Parabéns,Morgadinha linda! 5 netos! Uma fortuna fabulosa. São a vida renovada a cada dia que passa, uma alegria infinita.

Mil beijinhos para todos.

Saúde!

Bem-hajas!

Cata-Vento disse...

Jorge P.G.

Esta casa também é tua ,Joca!És e serás sempre bem-vindo, amigo. Olha, gosto muito de ti. Tá dito!

Bjinhos